Entrevistas

MobilityTech Milano: Parkeon e o parquímetro ultra-avançado


Pagamento de parqueamento, ZTL e multas, compra de bilhetes de cinema e teatro, pagamentos de serviços públicos, acesso à informação turística, informação sobre horários e pagamento de bilhetes de transporte, chamadas de táxi e chamadas de emergência. E muito mais é, ou logo será, por meio do Bóia multisserviço no qual Parkeon transformou o parquímetro simples. Como diz o CEO Vezio Maggioni, A ideia de Parkeon deu origem a “um ciclo virtuoso que alimenta a longevidade do sistema de“ serviços aos cidadãos ”e o torna sustentável para toda a sociedade”. Tão "verde".

1) Como você transformou o parquímetro em uma bóia multisserviço?

Para nós sempre foi um Multisserviços BOA, desde que nossos terminais tiveram a oportunidade de estar interligados na rede e agora é também para o consumidor que está percebendo os enormes benefícios que pode receber através do que está em vigor “o único terminal inteligente da rua "

O BOA multisserviço é um pouco como o futuro que muitos esperam: na verdade, ele já está aqui, mas só está mal distribuído.

2) Quais serviços urbanos podem ser acessados ​​e com quais formas de pagamento?

o parquímetro permite o pagamento de estacionamento (em moeda, cartão pré-pago ou bancário), a leitura e recarga de bilhetes de viagem e porta-moedas eletrónico. Permite ainda a gestão de serviços urbanos diferenciados, como o pagamento de acessos às zonas da ZTL, a chamada de táxi para os parques de estacionamento mais próximos, o pagamento de multas, a recarga dos serviços de “bike sharing” e “car sharing”, a emissão de bilhetes para concertos, teatros e eventos desportivos e também o pagamento de boletins até 100 euros por transacção.

Na prática não há limitações no tipo e na quantidade de serviços que podem ser prestados através do nosso parquímetro, que podemos, portanto, considerar excelentes em todos os aspectos Multisserviços BOA à disposição do cidadão.

3) Quais serviços você mais usa e como geralmente são pagos?

Definitivamente o pausa, então o pagamento do estande e multas conectado a ele. Até o pagamento do acesso à Área C, em Milão, é um serviço que nos inscrevemos para ser realizado pelo nosso parquímetro por um número crescente de utilizadores: basta pensar que o uso (e pagamento) para o acesso à Área C realizado em nossos sistemas através do uso de cartões bancários foi igual a aproximadamente 40% do valor total de registro para o mercado italiano.

A emissão do bilhete de transporte público bem como o recarregamento dos bilhetes de temporada, através da modalidade "contactless" presente nos nossos parquímetros, são serviços actualmente disponíveis em fase experimental e portanto ainda sem dados de referência mas para os quais contamos um excelente índice de aprovação.

Existem também serviços que podem ser prestados, mas de momento ainda não ativados, pelo que não existem dados estatísticos mas, francamente, é previsível um grande interesse. Estou a pensar nos serviços de difusão de sinal de Internet Wi-Fi e, portanto, também nos serviços de telecomunicações em torno da BOA, nos serviços de energia e de recarga (de telemóveis a carros elétricos), nos serviços ambientais, portanto na análise da poluição atmosférica / acústica / eletromagnética envolvente

o nosso BOA, serviços de bilhética (cinema, teatro, ...), serviços de recarga (telefone, jogos, ...), serviços de segurança através de sistemas de videovigilância inteligentes integrados no BOA, serviços de impressão (porque o nosso BOA é também uma impressora ), serviços turísticos (mapas turísticos em formato mp3 ou vídeo, informações e

indicações em todas as línguas do mundo ...), serviços SOS (chamada de emergência também partilhada), serviço de chamadas de táxi, serviço de pagamento de serviços públicos.

Na realidade, os serviços que podem ser prestados são para todos os efeitos… infinitos, mesmo considerando que os destinatários destes serviços são representados por uma população cada vez mais ávida por multimédia e multicanais.

4) Quando você apresentou essa novidade e com que resposta do mercado?

Em vez de "introdução", é melhor falar sobre a "difusão" das funções multisserviços do parquímetro que 2012 têm registado um aumento significativo de pedidos para aquela que hoje é a única tecnologia nas nossas ruas (a penúltima foi a cabina telefónica), podendo assim prestar infinitos serviços aos cidadãos, a começar pela gestão das cada vez mais raras escalas.

5) Por que é um produto sustentável?

As funções multisserviço derivam de uma plataforma amplamente preparada para hospedá-los e entregá-los e isso nos permitiu distribuí-los, mantendo os custos baixos diante de novas e importantes receitas para os administradores. As receitas são provenientes de serviços a terceiros que por sua vez, nesta chave altamente otimizada, encontram os mesmos valores a custos mais baixos. O todo deu origem a um ciclo vicioso o que alimenta a longevidade deste sistema de “serviços ao cidadão”, tornando-o sustentável para toda a sociedade.

6) Em quais cidades você instalou este serviço e com quais resultados?

O serviço está disponível em todas as cidades cobertas pelo nosso abastecimento, mas a questão tem que ser colocada em outro nível: nem todas as cidades nos pediram ativação no momento, mesmo que já sejam muitas, incluindo Milão, Nápoles, Gênova, Parma, Arezzo, Sondrio, Arona. As adições também estão em andamento para as cidades de Roma, Bolonha e outras.

A maioria dos desenvolvimentos foram implementados e integrados usando tecnologias e habilidades italianas e os mesmos modelos estão sendo exportados para países como França, Holanda, Bélgica, Estados Unidos, Espanha. Hoje, na Itália, somos a base da difusão internacional.

7) A quais padrões PCI você se referiu?

Todos os procedimentos são regidos pelo PCI DSS (padrão de segurança de dados de aplicativos de cartão de pagamento), o conjunto de procedimentos e requisitos necessários para garantir que os diversos processos de pagamento decorrem com elevado nível de segurança.

Entrevista porMarta Abbà


Vídeo: El gran negocio de los parquímetros (Janeiro 2022).